domingo, 7 de maio de 2017

Short Fic Breaking the Rules Capitulo 11- Acerto de contas






Edward PDV
—Se você não soltar meu braço eu juro que vou gritar Edward.

—E deixar você sair daqui? Se quiser gritar, fique a vontade. Vai ser um show ainda melhor.

—Como você os encontrou?

—Eu encontrou muitas coisas. Ou você se esqueceu o quão bom em descobrir as coisas eu sou?

—Tudo isso por causa daquela...

—Eu acho bom você medir suas palavras. Ou eu vou fazer muito pior do que fiz até agora. Agora vamos.

—Senhoras e senhores, está noite vamos entregar alguns prêmios do ramo dá moda. Será uma noite mágica e cheia de surpresas.

—Pode apostar nisso. - Sussurrei no ouvido de Tânia.

Estávamos sentados a mesa quando o irmão da Tânia começou a jogar azeitonas para cima.

—Será que dá pra você se comportar pirralho?- Ela perguntou irritada e ele a olhou e arrotou.

—Deny. Eu te dei educação menino. Vê se usa.- A mãe dele ralhou.

—Pode deixar ele.- Eu disse para a mãe da Tânia.- Ele é uma criança. Deixe se divertir um pouco.

—Mas o que vão pensar de nóis? – Ela disse com o sotaque da fazenda.

—Deixe que pensem o que quiserem. Vocês são meus convidados. Podem ficar a vontade.- Eu disse e ela sorriu.

— Se é assim.

—Ei moço. Moço!- Deny chamou o garçom quase subindo na cadeira.- Se pode me arrumar um canudo?

—Um canudo?- O garçom perguntou confuso.

—É. Sabe, aquele tróço comprido que a gente usa pra tomar as coisas.- O garçom me olhou e eu assenti. Alguns minutos depois ele trouxe o canudo e entregou para o menino. Isso seria divertido. Deny pegou um papel que ele havia trazido e começou a mastigar. Com o canudo posicionou a bolinha de papel em direção a Tânia que estava olhando para o palco e atirou acertando em cheio seu nariz.

—Seu pivete. Eu vou...

—Gostaria de chamar ao palco a nossa estrela da noite. Tânia Denali.- O apresentador disse e todos aplaudiram. Tânia se levantou e assim que caminhou para o palco toda sua família começou a gritar e assobiar.

—Eu gostaria de agradecer...

—É isso aí Tanaliana!- A avó dela gritou bem alto.

—Como eu dizia, eu gostaria de agradecer a todos que me ajudaram a chegar até aqui.

—Olha lá Mãe. Ela ta falando de nóis.- A mãe dela gritou e foi até um repórter que estava perto.- Olha lá moço. Tira bastante foto da minha menina.

—Vocês são a família da Srta. Denali?

—Somos sim. Eu sou a mãe, essa é minha mãe, e meu filho. E tem o Rocambole também.

—Um porco?- Ele perguntou segurando o riso e pegando o telefone.- Phil... Esqueça a matéria do dopin. Eu tenho uma que merece capa. A senhora poderia falar mais sobre sua filha?

—Claro que eu posso. Vem aqui mãe. O moço quer saber histórias da Tanaliana.

—Pode deixar moço. Nóis tá muito feliz de tá aqui com a tanaliana. Quando ela era pequena vivia posando pra tudo que era foto. Mas ela não era bonitona como tá agora não. Uma vez ela pegou minha navalha e cortou o cabelo porque queria ficar igual as muié dá revista. Mas ela corto tudinho errado e ficou um mês com aquela cabelera de emaranhado tudo torto. Cê tinham que vê. Parecia um ninho de rato. - A avó dá Tânia disse e todos começaram a rir. - Aí um dia ela veio pra cidade grande, e largo nóis tudo lá no rancho. Nóis nem sabia que ela ia ganhar esse prêmio. O moço ali que foi buscar nóis tudo. Ela puxou ao pai dela .Sempre se achando melhor que todo mundo.

—Agora?- o irmão dá Tânia perguntou e eu assenti. Ele subiu na cadeira com um enroladinho e gritou- Pensa rápido cabeçuda - ele disse jogando o enroladinho e acertando na Tânia fazendo com que ela se desequilibrasse e caísse sentada. E nessa hora o porco começou a correr em direção ao palco onde a comida havia ficado presa no cabelo dá Tânia. Mas a guia dele se prendeu a mesa e ele levou com ele a toalha e toda a louça.

—Tira essa coisa de cima de mim.- Ela gritou.

—Ué.Ela gostava do rocambole quando era pequena. Antes de começar com essas frescuras todas.

Definitivamente eu havia conseguido minha vingança. Agora sim eu poderia me tornar uma pessoa melhor para quando encontrasse com a Bella.



—Você meu amigo, definitivamente não presta.- Jasper disse entrando na minha sala e jogando uma revista em minha mesa. Nela mostrava Tânia sentada no chão com o porco em cima dela. E a manchete dizia “ Modelo renega suas raízes humildes e acaba noite sentada com os porcos”-

—Brilhante não é?

—Eu nem preciso perguntar se você tem dedo nisso não é? Eu consigo ver a alegria em seus olhos. Você não tem jeito.

—Ao contrario. Agora Tânia, ou Tanaliana sabe que não se entra em meu caminho.

—Você disse que tentaria ser melhor. Por ela. Pela Bella.

—E eu vou, mas não achei certo ela se safar tão fácil.

—Por que eu tenho a sensação de que vou me arrepender de te aproximar da Bella?

—Você prometeu Jasper. Prometeu que me ajudaria.

—Eu vou Edward, mas você tem que ser melhor que isso. Você tem um mês e meio, e o que você fez? Alem de comprar a escola?

—Eu não estou com muito tempo ultimamente.

—Que cara é essa? O que aconteceu?

—É o Charlie. Minha mãe não sabe mais o que fazer. Ele tem se comportado cada vez pior.

—O Charlie? Seu irmão é a criança mais educada que eu já conheci.

—Ele era, mas depois que a Bella saiu da escola ele se rebelou. Tem estado cada vez pior. Arruma brigas e não liga para as tarefas. Ele é só uma criança. Não devia ser assim.

—Sua professora favorita foi embora. O que esperava?

—Parece que eu ferrei com tudo.

—Você fez. Mas está tentando consertar. Isso é o que conta.

—E será que dá pra consertar tudo?

—Eu não sei Edward, mas você pode tentar.

—Você tem noticias dela?

—Edward...

—Eu só quero saber como ela está.

—Ela está bem. Está em uma fazenda.

—De quem? Onde? Eu sei que poderia descobrir, mas me pareceu... Errado.

—Você está certo. Não é muito longe daqui. Umas três horas de viagem. É a fazendo de um amigo dos pais dela.

—O que você não está me contando?

—Olha, é melhor...

—Pode falar Jasper.

—Alice deixou escapar que ela conheceu um cara.

—Um cara?

—É, mas talvez eles sejam só amigos.

—É. Talvez. - Mas no fundo eu sabia que eles não podiam ser só amigos, podiam?