terça-feira, 4 de abril de 2017

Fanfic I Will Love You Forever Capítulo 06- 1967




—Ano de 1967, Nova Orleans
—Veja Barton.- Mason disse apontando para as ruas.- Carne fresca.
—Sim, eu posso ver. Os cavalheiros fazendo fila no Morts
—Ela é minha. Não para o bordel.- Ele declarou.
—Se você quiser todas as moças Mason, então logo teremos que fechar as portas.
—Todas não. Apenas ela. Ela parece...
—Um lindo cordeiro. E você meu amigo, é um leão caçando. Ela não terá a mínima chance não é?
—A mínima chance.- Ele disse sorrindo e caminhando em direção a garota.
—Com licença moça?- Ele disse e ela se virou.
—Olá.- Ela disse sorrindo.
—Não é da minha conta, mas estas ruas não são muito apropriadas para uma moça andar sozinha. Ainda mais essa hora e desacompanhada.
—Ah.. Eu.. Eu moro logo ali..- Disse apontando para uma casinha azul na esquina-. Só estava procurando meu pai. – Tão ingênua. Mal o conhecia e já havia lhe dito tantas coisas. Seria um prato cheio, Mason pensou com malicia. – Eu me chamo Ana, a propósito.- Ela completou sorrindo e alguma coisa em seu sorriso o fez vacilar um momento, mas ele logo voltou ao plano.
—Eu poderia ajuda-la se quiser.
—Mesmo?- Ela sorriu novamente.- Tudo bem. Obrigada.
—Eu sou o Mason.
—E o que faz por aqui Mason? Perseguindo moças inocentes?
—Eu... Eu não...
—Eu estou brincando.
—Por que está procurando seu pai?
—Digamos que ele não tem bom amigos. As vezes se mete com as pessoas erradas.
—Então você sai para procura-lo.
—A essa hora eu já o encontrei, normalmente. Menos quando ele vai para algum cassino do lado agitado da cidade. Ele gosta de ir naqueles lugares onde as meninas dançam.
—Quer dizer bordeis?
—É. Eu só tive que busca-lo em um desses uma vez.
—E por que não foi lá, ao invés de espera-lo aqui?
—Porque não é exatamente um lugar que eu queira ir. Eu não sei muitas coisas, mas sei o que as meninas de lá fazem. A única vez que fui lá não foi muito legal.
—O que aconteceu?
—Você é um cara bem curioso não é ?
—Eu sou.
—Alguns caras tentaram algumas coisas. Não é uma experiência que eu queira repetir.
—O que? Onde foi isso? – Ele estava irritado, mas não entendia porque. Ele não a conhecia, mas sentia-se estranho com a idéia de outros a tocando.
—Foi nesse... Lugar. Como era o nome? Era... Ah sim, era Morts. Morts Man. – Ao ouvir o nome de seu bordel Mason engoliu seco.
—Você se lembra de como eles eram?
—Sim... Está tudo bem. Embora eu não queira voltar para lá. Mas você deve me achar estranha.Eu te conheço a menos de uma hora e já lhe contei praticamente tudo a meu respeito.
—Não. Na verdade eu lhe achei adorável. Alem de muito bonita.- Ele disse e ela sorriu corando.
—Se você quiser posso ir até lá e ver se seu pai está por lá.
—Mesmo?- Ela disse esperançosa.
—Claro.
—Obrigada então.- Ela disse se aproximando e beijou sua bochecha.- Aqui... Essa é uma foto dele. Está meio apagada, mas dá para vê-lo.- Assim que Mason pegou a foto, ele reconheceu o sujeito. Era Charlie Swan. Antes de perder tudo ele era um de seus melhores clientes, mas  com a morte da esposa ficou na miséria e sempre aparecia no bordel implorando por um pouco de bebida.
—Eu vou até lá e se  o encontrar o trago para cá está bem Ana? Agora... Vá para casa.
—Obrigada Mason. Obrigada mesmo.- Ela disse e entrou na casa balançando seu vestido azul. Ele a queria. Mais do que já quis qualquer mulher na vida, mas ela era diferente. Era boa e pura. Ela era um anjo e ele um demônio.
Com esse pensamento ele foi para seu bordel onde encontrou Charlie caindo de bêbado e implorando por mais enquanto era ridicularizado pelos homens que ali bebiam.
—Ei Charlie... O quanto você quer esse copo?
—Eu quero muito senhor...
—Eu aposto que quer, mas o que você faria por ele?
—Qualquer coisa senhor.
—Então responda uma coisa. Os boatos são verdadeiros? De que você tem uma filha?
—Sim. Anabella e ela é tão bonita.
—O quão bonita?- Jimmy perguntou curioso.
—Oh, muito bonita senhor. Parece um anjo.
—Diga Charlie, ela é mais bonita que Ariana ali?
—Oh, sem duvidas senhor. Minha Anabella é muito mais bonita que Ariana.
—Diga Charlie, o que você faria por esse copo de tequila mesmo?
—Qualquer coisa senhor. Por favor...- Ele pediu tentando pegar o copo e Jimmy o empurrou.
—Então, se você faria qualquer coisa por um copo, o que daria pela garrafa Charlie?
—O que o senhor quiser... Eu dou o que o senhor quiser.
—É mesmo?
—Sim senhor. É só pedir.
—Então traga sua filha aqui.
—Anabella? Para que a quer aqui senhor?- Perguntou confuso pela quantidade e bebida que havia tomado.
 -Fiquei curioso. Você diz que ela é mais bonita que Ariana. Nunca conheci alguém mais bela. Quero ver se tem razão.
—Claro senhor. Eu a trago. Agora por favor me de..
—Não é tão fácil assim Charlie. Primeiro a garota. Se ela for tão bonita quanto diz lhe dou até duas garrafas.
—Vou buscá-la senhor.- Ele saiu aos tropeços.
Algum tempo depois que Charlie saiu, Mason chegou ao bordel.
—Vejam rapazes, se não é nosso caçador. Onde está seu pequeno cordeiro meu amigo? –Barton perguntou enquanto bebia com os amigos.-Não conseguiu o que queria meu amigo?
—Eu sempre consigo o que eu quero Jimmy.
—Desculpe, não está mais aqui quem falou. Mas é que você sempre trás suas conquistas para cá, para quando você acabar com ela os rapazes possam se divertir um pouco. Eu estava particularmente ansioso por essa Mason.
—Ela será toda sua. Quando eu terminar.
—Vai voltar a vê-la?
—Ainda não estou totalmente satisfeito. Pretendo vê-la amanhã a noite. Depois disso, ela é toda sua.
—Bem, ao menos terei com o que me distrair esta noite.
—Ariana não deve ficar apenas em seu quarto Jimmy. Muitos clientes desejam sua companhia também.
—Ariana já está passada. Você se lembra daquele bêbado miserável que sempre está por aqui?
—Sim. Eu ia perguntar por ele. Como se chama mesmo?
—Charlie, Charlie Swan, mas esta não é a parte importante. Ele esteve aqui há pouco. Os boatos que correm por ai é que ele tem uma filha.
—Uma filha?- Ele disse com falsa surpresa já que já sabia disso.
—Sim. Que ele jura ser mais bonita que Ariana.
—Ela é..- Ele murmurou.
—O que disse? Bem, não importa. O importante é que o bêbado topou um acordou. Ele trará a menina aqui. E só me custou duas garrafas de tequila.
—Ele a trará aqui?- Ele perguntou furioso.
—Sim. Eu sou brilhante não sou?
—Não, você é um idiota. Como o manda traze - lá? Sabe se ela é maior de idade? Ou confiável?  Você não é um moleque Jimmy. Sabe que a policia não aprova nossas atividades, e que não estamos fechados porque não temos menores por aqui. Como manda que tragam alguém novo se não sabe nada sobre esse alguém?- Ele perguntou embora soubesse tudo sobre a pessoa que estava a caminho.
—Eu não pensei..
—Não, você não pensou. Você estava pensando com a cabeça errada não é mesmo?
—Eu vou consertar isso, eu...
—Você já fez o bastante. Deixe isso comigo.- Mason rugiu saindo.
—Eu não quero ir pai...
—Vamos Anabella. Pare de show. Eles só querem conhecê-la.
—Eu não quero, por favor.
—Eu irei ganhar duas garrafas com isso.
—E não se importa o que acontecerá comigo?
—Não seja dramática. Jimmy só quer conhecê-la. Ele é meu amigo.
—Eu não gosto de seus amigos.
—Já falou demais, vamos.- Ele disse a puxando.
—Está me machucando pai. Por favor.
—Solte ela Charlie.
—Sr Mason... Eu estava justamente...
—Solte ela. Agora. - Ele falou mais alto e Charlie obedeceu.
—Eu estou indo para casa.- Ela disse correndo de lá.
—Sr Mason, eu havia prometido ao..
—Eu já sei o que aquele imbecil lhe pediu. Por isso estou aqui. Preste muita atenção no que vou lhe dizer Swan. Você não irá voltar até o meu bordel. Se eu o vir ao mesmo bairro, eu vou fazer com que você seja preso e apodreça na cadeia. Eu não quero Anabella nem perto de lá. Você entendeu?
—Mas..
—E em troca eu trarei toda a bebida que quiser. Estamos entendidos?
—Sim senhor.
—Ótimo. Agora.. Eu preciso falar com Anabella, então vá dar uma volta.
—Sim senhor..- Ele respondeu e Mason foi até a casa e abriu a porta. Não o surpreendeu o fato da porta estar destrancada.
—Ana?
—Mason? O que faz aqui?
—A porta estava destrancada.
—Eu sei. Eu nunca tranco.
—Você devia trancar. Não é seguro deixar aberta assim.
—Você se preocupa mito. Eu ofereceria alguma coisa, mas tudo o que temos é água.
—Eu estou bem .
—O que faz aqui?
—Na verdade eu queria ver como você estava.
—Bem. Alias, obrigada. Quando você apareceu meu pai estava tentando me levar para aquele lugar.
—Não por isso.
—Como ele sabia quem você era?
—Eu.. Eu o encontrei lá no bordel e disse que você estava o procurando, mas vi como ele estava e decidi segui-lo.
—Obrigada então. Parece que você tem me ajudado muito. Até parece um anjo da guarda.
—Você não diria isso se me conhecesse.
—Porque não? Você só tem me ajudado desde que te conheci, eu me sinto segura quando você está perto e você é muito bonito. Parece mesmo um anjo.
—Então me acha bonito?
—É claro.
—Você é sempre tão sincera?
—Eu acho que mentiras machucam as pessoas. Então sim. Eu sempre digo o que penso.
—Sabe, Ana, eu gostaria de passar mais tempo com você.
—Gostaria?
—Sim. Que tal um passeio amanhã?
—Eu adoraria.
Enquanto isso no Morts Man.
—Você ouviu o que ele disse Jimmy.
—Ele é um moleque. Eu sou mais velho do que ele. Ele pensa que tem poder apenas porque tem dinheiro.
—Então o que você fará?
—Já faz tempo que aquele bêbado não aparece por aqui, mas sabe o que eu descobri Barton?
—O que?
—Uma coisa muito interessante. Ariana me disse há algumas semanas que Mason não tem se deitado com ela nem com nenhuma das outras meninas.
—E então?
—Eu o segui. Ele tem saído com a filha do Swan e eu tenho que adimitr Barton, a menina é um colírio aos olhos.
—Tão bonita assim?
—Mais bonita que Ariana em seus melhores dias.
—Isso explica porque Mason tem dispensado as outras.
—Mas ainda não gostei do modo como ele falou comigo. Talvez ele tenha se esquecido que não sou um moleque.
—E o que você vai fazer?
—Vou lembra-lo. A começar por conhecer a jovem Anabella
—Você não faria..
—Você quer apostar?
Chovia muito e o sol já havia se posto deixando as ruas escuras. Ana procurava seu pai pelas ruas.
—Pai!!- Ela chamava.
—Olá docinho.- Jimmy disse apoiado em um muro a observando. Ana sentiu um arrepio assim que o viu a observar. Ele se parecia com um dos homens que tentou agarra-la no bordel meses atrás. Ela havia combinado de se encontrar com Mason, mas seu pai havia desaparecido.- Procurando pelo Charlie?
—Sim. Ele é o meu pai, você o conhece?- Ela perguntou inocentemente mesmo com todos os seus instintos pedindo para que ela corresse.
—Sim. Somos grandes amigos. Eu o vi. Se quiser saber.
—Mesmo? Onde?
—Seguindo por essa rua. Um bar aqui perto deixa algumas garrafas por lá. Charlie sempre vai para lá.
—Obrigada.- Ana agradeceu indo em direção ao beco e Jimmy sorriu.
—Pai!- Ela gritou ao ver Charlie jogado em uma poça de sangue.- Pai. Consegue me ouvir?
—Acho que ele está meio fora de ar agora.- Jimmy disse surgindo por trás dela fazendo a pular de susto.
—Como fora de ar? O que aconteceu?
—Acho que talvez eu tenha batido um pouco forte demais.
—Você disse que era amigo dele!- Ela gritou partindo para cima dele.
—Por mais que eu curta uma garota bravinha, hoje não estou com paciência.- Ele disse segurando um de seus braços e a girando e a prendendo.- Agora... Você vai ser uma boa garota.- Ele disse puxando um canivete e cortando a parte da frente de seu vestido.
—O que você... Não...- Ela disse tentando se livrar dele.
—É melhor você ficar bem quietinha. Não vamos querer deixar cicatrizes aqui não é? O Mason não vai gostar certo?
—Mason... O que ele tem haver com isso?
—Ah querida... Ele tem tudo haver com isso.
—Eu não sou sua querida.- Ela disse pisando em seu pé com toda sua força.
—Sua...
—Ana?- Mason disse aparecendo em sua frente.
—Olhe quem resolveu aparecer para a festinha. Que isso Mason, antes você dividia suas conquistas com os amigos.
—Eu vou dar uma chance de tirar suas patas dela antes que eu torça seu pescoço Jimmy.
—Ah meu amigo, mas a brincadeira está apenas começando.- Ele disse puxando Ana para seu encontro novamente.- Vai ser muito divertido.
—Mason...- Ela o chamou.- Vocês... Vocês são amigos?
—O que você pensou querida? Que ele fosse um pricipe encantado? Está mais para lobo mal.
—Ultima chance Jimmy.
—E o que você vai fazer? Eu que tenho um canivete aqui.- Ele disse isso e mordeu o pescoço de Ana.
—Seu filho da...- Ele disse partindo para cima de Jimmy que deixou o canivete cair.
—Ei.- Uma voz grave ecoou pelo beco. Era um amigo de Jimmy e apontava a arma para os dois homens que lutavam. -Sai de cima dele senhor - Mason ignorou e continuou socando Jimmy.
—Ultima chance ou eu atiro cara.
—Mason!!- Ana implorou e ouviu um som de um disparo.- Mason!!- Ela gritou e correu para ele que havia caído com o tiro.- O que você fez seu idiota. Por que não o soltou?
—Ele mereceu. Por colocar as patas em você.- Mason começou a tossir e a cuspir sangue. O tiro atingiu seu peito e ele estava morrendo.
—Não, não, não. Você não pode me deixar Mason, você é meu anjo. Eu preciso do meu anjo.
—O único anjo aqui é você Ana. Você me mostrou que a vida poderia ser mais.- Ele disse segurando sua mão.- Obrigado.
—Mason.-Ela o chamou.- Mason, por favor.-Ela continuou a chamá-lo e bater em seu peito.- Você não pode me deixar. Por favor.- Ela gritava e o sacudia esperando uma resposta que não viria.
—Jimmy o cara está morto, vamos embora.
—MASON!!
—Cara, o que eu fiz? Isso não era parte do plano.
—Ele teve o que mereceu.- Jimmy disse se levantando.
—Vamos Jimmy. Agora.- Ana virou e se levantou indo em direção a Jimmy.
—Ele está morto! Vocês o mataram!!- Ela gritou se jogando contra Jimmy e começou a esmurra-lo. Ele estava com o canivete na mão outra vez e se defendeu por instinto.-Ahn- Ela gemeu ao sentir a lamina perfurar sua barriga. Jimmy se aproximou de seu ouvido e sussurrou.
—E agora você vai se juntar a ele.- Ele disse puxando a lamina e a jogando no chão ao lado de Mason. E lá os dois ficaram até encontrar a escuridão.