domingo, 5 de março de 2017

Fanfic Remember Me Capítulo 23- Um passo de cada vez

Edward PDV
Cheguei em casa e encontrei Bella no sofá lendo. Me sentei ao seu lado para saber como havia sido a consulta com a Dra Carmen.
—Oi
—Oi- Ela disse fechando o livro e o colocando de lado.
—Como foi hoje?
—Bem. Eu gosto da Dra. Carmen.
—Fico feliz.
—Como foi seu dia?
—Alguns pacientes. Nada muito diferente.
—Carmen disse algumas coisas...- Ela parecia um pouco nervosa. Como se precisasse confessar alguma coisa, mas não soubesse como..- Gostaria de saber o que ela disse?-
—Claro.- Respondi rapidamente.
—Ela... Bem, ela disse que eu devia falar com você sobre...- Ela parou de falar como se estivesse considerando se me contar sobre a conversa fosse a coisa certa.
—Sobre?
—Sobre meus pesadelos.
—Mas você falou comigo. Na casa da sua avó.
—Sim, mas eu...- Ela estava me escondendo alguma coisa. Já havíamos conversado sobre os pesadelos. Mas ela continuava nervosa.
—Bella... Qual o problema?
—Talvez eu não tenha.. Talvez eu não tenha contado tudo. – Ela disse baixando os olhos. Segurei delicadamente seu queixo e o ergui, fazendo com que ela olhasse para mim.
—O que você não está me contando amor?
—A parte final do sonho. Depois que eu o empurro. Eu disse que não sabia o que vinha depois. Não era verdade. Mas estou pronta para contar tudo a você agora- Ela suspirou como se estivesse se preparando, e então começou a falar.-Quando... Quando ele aponta pro chão- ela suspirou e seus olhos estavam marejados.-Segurei seu rosto e o levantei. .
.
—O que te assusta tanto Bella? Me conta. - ela respirou fundo.
—Quando ele aponta para o chão eu vejo... Vejo você.
—Eu?
—Sim. E você está tão machucado. E parece estar com tanta dor. Tem sangue por todo chão. E o Charlie. Ah o Charlie. - ela chorava e soluçava agarrada a mim. Era por isso que ela estava tão assustada? Como eu sou estúpido. É claro que seus pesadelos envolviam nossos filhos.
—Ele... Ele está ferido? -perguntei já imaginando a resposta.
—Ele está morto Edward. Aquele desgraçado o matou. - ao ouvir aquilo meus músculos ficaram tensos. Era um sonho. Não fazia sentido ficar irritado e acabar descontando nela.
—O que mais você vê? No seu sonho Bella?
—Eu... Eu me levanto e corro até você. Mas quando olho para porta. Lá está ele. E está com Elena nos braços.
—Há Quanto tempo vem tendo esses pesadelos? Perguntei acariciando seus cabelos?
—Desde o dia em que vi as marcas. As marcas que ele me deixou.
—E por que não me contou?
—Pensei que estava bem com isso, mas Carmen disse que guardando os para mim, vai ser muito mais difícil superá-los. Disse pra contá-los pra alguém em quem eu confiasse.
—E você decidiu me contá-los? Ela assentiu e eu segurei seu rosto - Olhe para mim Bella. Eu juro pela minha vida. Aquele homem nunca mais ira tocar em você ou nos nossos filhos. Você entendeu?- Bella assentiu e se aconchegou ainda mais em meus braços.Ficamos assim e Bella acabou adormecendo. A campainha tocou, então me levantei para abrir a porta antes que Bella acordasse. Era minha mãe com as crianças.–Charlie estava dormindo e Elena estava saltitando nos pés da minha mãe. Assim que abri a porta ela veio correndo em minha direção e saltou no meu colo me enchendo de beijos.
—Papai!
—Oi amor. Como foi seu dia? Brincou bastante com a vovó e o vovô?
—Um montão. Tia Lice tava lá.
—Alice deve ter ficado muito feliz em passar o dia com Elena. Ter uma boneca só para ela.- Eu disse e minha mãe concordou.
—Elena é esperta. Soube negociar com Alice para deixar que ela a fizesse de boneca.
—Aé? E o que a mocinha pediu?- Perguntei olhando para minha filha.
—Eu quero um vestido de princesa papai. Tia Lice falou que vai me dar pra usar no meu aniversário. Peraí, cadê a mamãe?
—A mamãe está descansando querida. Deixa ela dormir um pouquinho está bem? E por falar em dormir, acho que já é hora de banho e cama não é? Por que não vai subindo? Papai já vai.- Ela subiu as escadas e eu sabia que tinha alguns minutos até ela realmente ir para o banheiro.
—Como ela está?- Minha mãe perguntou.
—Acho que mais leve. Dra. Carmen é boa. Fez com que ela me contasse sobre seus pesadelos.- Meu rosto se contorceu ao lembrar dos pesadelos que vinham atormentando minha Bella
—São tão ruins assim?
—Nos pesadelos, ela vê basicamente Riley tentando agarra-la, Charlie morto, eu ferido no chão e tudo isso enquanto aquele desgraçado leva Elena embora. Está ruim o bastante?
—Deus...- Minha mãe arfou surpresa. Ela sabia que os sonhos eram ruins, mas não imaginava o quão ruins eram. Nem eu imaginava até Bella me contar.- Eu espero que Carmen possa ajuda-la.
—Acho que temos que ir com calma. Ela me contar dos pesadelos foi um grande passo para ela. Ela ainda sente muita vergonha de tudo.
—É compreensível Edward. Tente entende-la.
—Eu entendo. De verdade mãe, mas não acho que guardar para si e se sufocar com tudo, seja a melhor maneira de lidar com tudo.
—É difícil para ela. Talvez as consultas com Carmen ajudem.
—Eu realmente espero que isso aconteça.-Me despedi da minha mãe e fui dar banho na Elena. Ela gostava de brincar na banheira, então deixei.
—Papai?
—Sim.
—A mamãe ta dodói?
—Por que acha isso amor?
—Ela não ta dormindo muito. Ta sempre bojeçando.
—Bocejando?- Ela era pequena, mas mais inteligente que muitos adultos, mesmo com seu modo atrapalhado de falar.
—E as vezes ela dorme de dia. O que ela tem papai?
—A mamãe levou um susto muito grande Elena. Precisamos ter paciência e dar muito amor pra ela. Você pode fazer isso?- Ela balançou a cabeça orgulhosa.
—A gente vai fazer a mamãe melhor né papai?
—Vamos sim querida. Vamos sim, mas agora... Vamos colocar a senhorita na cama.
— Ah papai... Mas eu não quero dormir agora.
—Eu tive uma idéia. E se você dormir comigo e com a mamãe? Você vai querer ir dormir agora?- Perguntei enquanto a ajudava a colocar seu pijama. Seu rostinho se iluminou com a idéia. Depois que passamos Elena e Charlie para seus quartos, eles só dormiam na nossa cama quando estavam doentes ou quando havia alguma tempestade. Elena tinha medo dos trovões e vinha correndo para nosso quarto sempre que chovia.
Eu fui até a sala e peguei Bella nos braços a levando até nossa cama. Ela estava com uma roupa confortável então só a cobri com o lençol. Elena já ia pular na cama, mas eu a segurei a tempo.
—Você não pode pular filha. Vai acordar a mamãe assim.- Ela mordeu a boquinha envergonhada, hábito que tinha aprendido com Bella, e foi caminhando até a cama e se aconchegou nos braços de Bella. Que a envolveu na mesma hora mesmo ainda dormindo. Peguei minha roupa e fui tomar meu banho.
Aproveitei a água quente para relaxar um pouco pensar no que podia fazer para ajudar Bella. Esse era o problema. Não havia nada que eu pudesse fazer. Saí do chuveiro e quando entrei no quarto Bella estava acordada acariciando os cabelos de Elena. Ela me chamou com as mãos fazendo sinal para que me deitasse com elas. Eu fui e me aconcheguei ao seu lado. E com Charlie no berço do lado da cama e Elena entre nós tentamos adormecer juntos. E antes do sono me dominar, algumas coisas vieram a minha cabeça. Coisas que eu queria, esperava e torcia.
Esperava que as consultas com a Dra. Carmen ajudasse Bella a superar seus traumas e torcia para que a gravidez de Rosie, o casamento de Alice, nossos filhos e seus estudos fossem o bastante para distraí-la de seus medos. Para que ela não pensasse mais naquele maldito dia. E torcer para que um dia, mesmo que pouco a pouco, ela se reconstruisse. Só precisávamos dar um passo de cada vez.