domingo, 5 de março de 2017

Fanfic Remember Me Capítulo 18- Problemas à vista


Eu havia feito de novo. Eu havia acusado Edward de traição depois de mais uma dose de veneno daquela cobra da Tânia. Eu não entendia como ela conseguia se colocar tanto entre nós. Eu só sabia que precisava consertar meu erro, implorar o perdão de Edward pela maneira como o tratei e fazer as pazes, mas antes que pudesse dizer qualquer coisa ouvi uma batida na porta e alguém entrando.
—Bella? Como você está?- Perguntou Riley já entrando no quarto antes que eu pudesse dizer alguma coisa. E pela cara que Edward fez, eu sabia... Isso não acabaria bem.
Edward PDV
—Estou bem Riley. Obrigada.
—Eu atrapalhei algo?- Ele perguntou se fazendo de inocente. Como se não soubesse.
—Sim.- Eu rosnei para ele.
—Edward.
—Já sei, já sei. Seja gentil.
—Eu posso voltar outra hora se você quiser Bella. Eu só queria saber como você estava.
—Como soube que ela estava internada aqui?- Perguntei curioso.
—Eu... Eu vim visitar um parente que está internado aqui e vi Rosálie na sala de espera, então perguntei o que havia acontecido.
—E então ela contou tudo para você? Simplesmente contou?
—Edward!!
—Eu só estou tentando entender Bella. Parece que ultimamente sempre que estamos a ponto de nos acertar esse cara chega.
—Olha eu já vou embora, eu não queria causar mais problemas.- Mais problemas? Quando ele disse isso, eu fiquei pensando. Como ele sabia que Bella e eu estávamos com problemas? A não ser que.... Não, não. Isso seria demais. Ele sorriu para Bella e saiu do quarto. Virei para Bella que me estendeu a mão e bocejou.
—Cansada?
—Não realmente. Stefan achou que eu estava muito nervosa e me deu um calmante.- Ela disse enquanto sua voz ficava mais baixa.- Eu acho que vou dormir um pouco.
—Tudo bem. Eu vou dizer aos outros que está tudo bem.- Disse indo em direção a porta, mas sua mão segurou meu braço.
—Não vai, não. Fica até eu dormir pelo menos.
—Claro.- Disse me sentando na beira de sua cama, enqanto afagava seus cabelos.
—Eu prometo compensar você, está bem amor?
—Pelo que?
—Pelas desconfianças. Eu prometo me redimir pelas acusações.
—Não precisa se redimir em nada. Eu amo você. Você é teimosa, e muito cabeça dura as vezes, mas ainda sim, eu amo você. Com todo meu coração.- Sussurrei em seu ouvido.
—Eu também. Com todo meu coração.- Disse antes de cair no sono. Soltei sua mão da minha e caminhei até a sala de espera e encontrei Rosálie.- Por que essa cara? Qual o problema agora?
—Não é nada.
—Rosie...
—Está bem. Mas você tem que prometer não fazer nenhuma estupidez sem que tenhamos certeza das coisas.
—Quer me dizer logo o que está acontecendo?
—Antes prometa. Prometa que você não vai fazer nada.
—Está bem. Eu prometo. Agora, qual o problema.
—Lembra que eu te contei que a Dora viu a Tânia te carregando, mas que ela não estava sozinha?
—Lembro. E daí?
—E daí, que o Riley, aquele professor que é amigo da Bella me viu aqui na recepção e veio perguntar se estava tudo bem.
—Disso eu já sei. Ele foi até o quarto visitar Bella.
—Eu não o conheço bem. Só encontrei com ele algumas vezes quando fui visitar Bella na faculdade.
—Quer ir direto ao ponto Rosie?
—Está bem. O fato é que a Dora estava do meu lado quando ele se aproximou, mas quando ele se virou para ir embora, Dora parecia... Eu não sei. Ela ficou estranha.
—Como estranha?
—Eu perguntei para ela qual era o problema. E ela disse que era a tatuagem.
—Tatuagem?
—Sim. Você já reparou que o Riley tem uma tatuagem na nuca?
—Não. Nunca prestei atenção nisso. Não suporto olhar para ele, quanto mais ficar procurando tatuagens Rosálie.
—Você não entendeu Edward. A tatuagem. Dora jura que é a mesma do cara que ajudou Tânia carregar você.
—O que?- Perguntei surpreso.
—Talvez ela tenha se enganado. Talvez o bar estivesse escuro e ela não tenha visto direito.
—Rosalie, essa é uma acusação muito grave. Você tem certeza disso?
—Eu não posso provar nada Edward. Sinto muito.
—Esse é o grande problema. Mesmo que essa cara esteja metido nisso, como eu acho que está, não podemos provar nada. Seria minha palavra contra a dele. Bella jamais acreditaria. E eu não quero mais brigar com ela por causa dele.
—Você tem razão. Por enquanto é melhor não mexer nisso. Principalmente no estado que Bella está. Ela precisa de descanso. Se ele realmente está por trás disso, uma hora vai cometer algum erro. Até lá Charlie já terá nascido, e Bella estará fora de perigo. Aí a gente pensa no que fazer com esses dois.
—E se ele tentar alguma coisa nesse meio tempo?
—Ele não vai. Não seria tonto de se arriscar tanto. Quando Bella vai ter alta?
—Logo. Stefan quer fazer mais alguns exames para ter certeza de que está tudo bem com os dois. Logo ela terá alta. Pode ligar e avisar aos outros que está tudo bem? Eu vou passar em casa e pegar uma coisas para Bella. Logo eu volto. Foi uma sorte muito grande Elena estar com meus pais.
—E Caroline também. Pode ir tranqüilo. Eu aviso aos outros.- Me despedi de Rosie e fui em direção ao estacionamento. E qual foi o tamanho da minha surpresa quando vi aquele professorzinho encostado no meu carro.
—O que ainda está fazendo aqui?- Rosnei para ele.
—Sabe, eu tenho que dizer. Bella deve gostar muito de você. Sabe, para te perdoar tão rapidamente. - Trinquei o maxilar segurando minha raiva e olhei em volta procurando por alguém que pudesse testemunhar a cena. - Ah nem perca seu tempo Cullen. Estamos sozinhos. Ou você acha que eu seria burro o bastante para deixar que alguém me visse conversando com você?
—O que você quer? O que sabe sobre isso?
—Mais coisas do que você imagina.
—Foi você não foi?
—Se quer uma confissão, esqueça. Tânia já me alertou sobre a conversa que teve com a loira gostosa. Qual o nome dela mesmo... Ah sim Rosálie. Garota esperta. Queria que Tânia fosse assim, mas ela foi o melhor que eu consegui, então.
—O que acha que vai conseguir com isso? Bella é minha esposa. Mãe dos meus filhos. Ela nunca terá nada com você.
—Isso é só uma questão de tempo. Quantas desconfianças mais você acha que Bella vai tolerar? Eu tenho que confessar, o casamento de vocês é mais forte do que eu pensei, quer dizer, uma foto. Ela viu uma foto sua na cama de outra, e ainda sim não te chutou como você merece. - Perdi a cabeça e o peguei pela gola da camisa.
—Eu sabia. Sabia que você estava metido nisso, que esse papel que você faz de amigo é uma fachada para Bella.- Estava pronto para lhe dar um soco quando suas palavras me cortaram.
—Bate. Pode bater. Eu vou adorar ir visitar Bella, para que ela possa ver os machucados. E então, quando ela perguntar o que aconteceu, vai ser fácil dizer que eu encontrei seu maridinho e ele por ciúmes perdeu a cabeça me batendo. Você não poderá alegar legitima defesa, porque não pretendo colocar um dedo si quer em você. - Ele disse com um sorriso presunçoso, e eu o soltei, porque sabia que ele tinha razão. Bella acreditaria facilmente nele.
—Eu estou avisando. Fique longe da minha família, ou então...
—Ou o que? Você não entendeu Cullen? Você não pode fazer nada contra mim. Ouça minhas palavras, eu pretendo tirar Bella de você, pouco a pouco, e você não poderá fazer nada para impedir. Sabe por que? Por que ela gosta de mim. Confia em mim. Não posso dizer o mesmo sobre você não é?
—Você enlouqueceu cara? Ela é minha esposa. Mãe dos meus filhos. Eu a amo e ela me ama. Isso que você sente por ela, é uma obsessão. Não é recíproco. Ela é minha.
—Vamos ver por quanto tempo Cullen. Vamos ver por quanto tempo. - Ele disse me dando as costas e caminhando em direção ao seu carro, e indo embora logo depois.
Depois disso não consegui sair do estacionamento. Peguei meu celular e liguei para Rosálie.
—Edward? Algum problema.
—Você pode vir no estacionamento?
—Ainda está aí? O que aconteceu?
—Só venha até aqui, por favor.
—Está bem. Estou indo. - Alguns minutos depois avistei Rosálie na porta no estacionamento, vindo em minha direção.- Edward qual o problema?
—Aquele filho de uma... Eu não acredito que ele...
—Edward, me conta o que aconteceu.
—Aquele desgraçado. Eu estava indo em direção ao meu carro para ir para casa, mas aquele professor estava me esperando.
—Riley?
—O próprio. Sua mascara caiu Rosálie. Ele admitiu o que sente por Bella e praticamente disse que não vai parar enquanto não a tirar de mim.
—Ele confessou ter ajudado com o plano insano da Tânia?
—Não, ele não confessou. Não com palavras pelo menos.
—Como assim?
—Ele fez... Insinuações. Comentários, e coisas desse tipo, mas não confessou ter participado. E mesmo que confessasse. Do que adiantaria? Sem testemunhas. Você sabe que Bella não acreditaria em mim.
—Ah Edward... Precisamos fazer alguma coisa antes que ele apronte.
—O que eu posso fazer Rosálie. Bella não vê as intenções dele. Ela acha que é ciúmes meu.
—Mas...
—Não Rosie. Eu tenho que provar as intenções dele. Não vai adiantar nada eu falar.
—Eu nem sei o que dizer Edward.
—Sinceramente. Nem eu. Só espero que ele não apronte nada.
—Vamos torcer por isso.