sábado, 4 de março de 2017

Fanfic Remember Me Capítulo 14- O super protetor

Edward PDV
Eu queria ter ficado em casa, mas ainda tenho a faculdade. A maior preocupação é a teimosia de Bella. Se eu tivesse a certeza de que ela cumpriria minhas orientações ou as de Carlisle, eu viria sossegado, mas conhecendo minha adorável esposa, sei que isso não acontece.
A brincadeira na neve de algumas semanas atrás rendeu uma bela gripe, mas Bella morria de medo de agulhas, então se recusava ir ao médico dizendo que era apenas uma gripe passageira.
—Hey Edward. Tem tempo para um café? É que não entendi muito bem o assunto da prova. Pode me ajudar?
—Benjamin, se eu pudesse ajudaria, mas Bella esta doente e se eu não fico em cima, ela não se cuida. Pode ser amanhã?
—Ah claro. Sem problemas. Vá para casa e cuida da sua esposa. Amanhã conversamos então.
—Obrigado.- Disse já indo em direção a porta quando ouvi o professor me chamar. Não é possível. Parece que todos estão querendo me afastar de Bella hoje,.- Sim senhor Benner?
—Senhor Cullen, eu estive olhando suas notas, e devo dizer. Seu pai deve estar muito orgulhoso de você.
—Sim ele está. Olha Sr. Banner, eu não quero ser grosseiro mas, minha esposa está doente e eu gostaria de ver como ela está. Podemos conversar outra hora?
—Ah claro rapaz. De lembranças ao seu pai, e mande melhoras para sua esposa.
—Eu mandarei. Obrigado.- Sai da sala antes que qualquer um tivesse a chance de me parar novamente.
Dirigi no limite da velocidade permitida. Não conseguia mais ficar longe da minha Bella. Fazia apenas três meses que estávamos casados, mas isso não nos deixou mais frios, muito pelo contrario. Agora que tínhamos nossa casa, fazíamos o barulho que queríamos. Bella estava muito mais desinibida agora que ficávamos completamente sozinhos.
—Bella? Amor? Cheguei.- Sempre que chegava e a chamava ela vinha para meus braços. Seu resfriado devia ser mais forte do que ela quis demonstrar e ela devia estar dormindo.
Subi as escadas e fui em direção ao quarto. E encontrei uma Bella muito pálida encolhida na cama tremendo.
Corri em sua direção a chamando.
—Bella, acorda Bella!- Coloquei minha mão em sua testa e ela estava ardendo em febre.
Continuei chamando, mas ela não abria os olhos. Apenas murmurava palavras incoerentes.
A peguei nos braços e corri em direção ao carro.
Pai...— Bella murmurava. Peguei meu telefone e liguei para Carlisle. Isso me lembrou o dia do acidente. Bella inconsciente e eu ligando para meu pai enquanto a levava para o hospital.
—Alô?
—Pai!! O senhor está no hospital? É a Bella !!
—Edward? Filho o que foi?
—Eu cheguei em casa e ela estava com muita febre. Ela está muito pálida e também está tremendo.
—Ela está consciente Edward?
Pai, você perdeu meu...
—Não. Ela está delirando.
—Traga-a para o hospital imediatamente.
—Está bem.
Chegando ao hospital meu pai já estava lá. Bella estava desidratada e muito fraca. A colocaram no soro e depois de uma hora sua temperatura foi normalizando, mas ela ainda não havia acordado.
Sentei-me ao seu lado na cama segurando sua mão. Estava muito fria, então levei até meus lábios e comecei a soprar para aquecê-las. Quando beijei sua mão senti um leve movimento em seus dedos.
—Edward? O que..?
—Shiu. Tudo bem amor. Está tudo bem agora. Você se alimentou hoje Bella?
—Não me lembro. Acho que não. Meu estomago estava muito embrulhado, não consegui comer nada.
—Você estava desidratada amor. E com princípio de pneumonia
—Eu estava um pouco cansada, então fui me deitar um pouco. Não me lembro do resto.
—Você deve ter adormecido e não comeu nem bebeu nada amor. Quando cheguei em casa, você estava ardendo em febre e tremendo em nossa cama. A trouxe direto para o hospital. Faz ideia da minha reação ao encontrá-la assim?
—Eu devia estar mais doente do que pensava. Sinto muito por te-lo preocupado amor.
—Não se desculpe. Mas quando estiver doente Bella, tem que seguir minhas recomendações amor. Eu sei que posso ser um pouco super protetor às vezes, mas faço isso porque amo você e me importo com seu bem estar.
—Eu sei disso Edward. Eu realmente pensei estar bem. Pelo menos até acordar aqui no hospital. Isso não vai se repetir amor. Prometo avisá-lo se eu me sentir pior.
—É tudo o que eu peço.
—Podemos ir para casa agora Sr. Cullen?- Ela disse sorrindo.
—Sim Sra. Cullen. Assim que meu pai prescrever alguns medicamentos e lhe dar alta.
Depois de sair do hospital, passamos na farmácia para comprar todos os remédios que meu pai prescreveu. Bella tomaria eles e precisaria de repouso.
Um mês depois.
—Eu só queria ir até o jardim!
—Você não está totalmente recuperada e está muito frio lá fora.
—Pelo amor de Deus Edward. Estou me sentindo uma invalida aqui. Eu estou entediada. Só quero dar um passeio.
—Então está entediada?- Disse me aproximando dela. Ela percebeu minhas intenções e entrou no jogo também.
—Você não imagina o quanto. – Ela disse manhosa.
—Então vamos melhor isso Isabella... - Sussurrei em seu ouvido. Eu sabia exatamente como ela ficava quando eu a chama assim.
—Edward... - Disse praticamente em um gemido.
—Sim?
—Faça amor comigo.
—Não precisa dizer duas vezes minha Bella.- Ela prendeu suas pernas em minha cintura enquanto subíamos para o nosso quarto
A deitei na cama e comecei a tirar minha camisa, mas ela segurou minhas mãos.
—Algum problema?
—Problema nenhum. É que eu adoro tirar suas roupas. - Ela disse um pouco envergonhada.
—Sendo assim... - Levantei minhas mães em sinal de rendição. - Fique a vontade. - E quando ela começou a erguer minha camisa, segurei seu pulso delicadamente e olhei em seus olhos. - Mas quero o mesmo direito- Sorri para ela maliciosamente.
—Para mim está ótimo. - Ela sorriu de volta.
Nos livramos de nossas roupas e eu estava a admirando novamente.
—Você vai fazer isso de novo?
— Nunca me canso. - Disse começado a distribuir beijos por todo seu corpo. Provava seus lábios e descia pelo pescoço até chegar ao vale entre seus seios enquanto minhas mãos passeavam por todo seu corpo. Eu nunca me cansava de amá-la. Nunca me cansaria.
—Edward...
—Sim...
—Está me torturando...
—Estou?
—Por favor... - Pediu manhosa. Sem demorar me coloquei entre suas pernas e avancei em um delicioso vai e vem. - Tão... Bom!
—Sim... Edward...
—Bella... Minha Bella... - Meus movimentos ficaram mais urgentes e Bella gemendo meu nome não facilitava meu lado.
—Deus... Ohh...- O aperto de suas pernas em minha cintura ficou maior e Bella arranhou minhas costas, então eu soube que ela estava perto.- Edward eu vou...
—Sim... Vem comigo Bella...
—Edward... - A senti se desmanchando em meus braços e com mais duas estocadas me juntei a ela em nosso ápice de prazer.
Me joguei ao seu lado para não colocar meu peso sobre ela. A puxei para meu peito e a senti relaxando em meus braços.
—Uau! Isso foi..- Não tinha nem palavras.
—Intenso?
—Acho que é um bom jeito de colocar. - Bella suspirava em meus braços enquanto eu desenhava círculos imaginários em suas costas.
Três semanas se passaram e com os medicamentos que Carlisle receitou Bella já se sentia melhor. E assim ela quis voltar para o trabalho na universidade. Bella adorava dar aulas. Eu também gostava do seu trabalho. Ela era ótima no que fazia e isso a fazia feliz, mas ainda sim eu não ia com a cara do professor que era seu amigo. O tal Riley. Ele era filho de um amigo do pai de Bella, e eles sempre se conheceram. Bella não parecia notar, mas pelo jeito que esse cara olhava para ela... Eu podia ver. Ele gostava dela. Nunca foi estupido o bastante para confessar, mas ele era. Ele era esperto. Sabia que se dissesse alguma coisa, minhas suspeitas se confirmariam e Bella se afastaria dele. Então ele fazia o papel de amigo. E mesmo me incomodando muito, eu não tinha como provar nada, então Bella pensava que era um ciumes bobo.
Cheguei em casa e Bella não apareceu quando abri a porta. Foi quando ouvi barulhos estranhos vindos la de cima. Subindo até chegar ao nosso quarto, encontrei Bella ajoelhada no banheiro e ela estava vomitando.
—Bella?
—Não entra aqui.
—Bella...- Fui entrando no banheiro, mas ela se levantou abaixando a tampa do vaso e sentando sobre ela. Sua pele estava um pouco brilhosa. Como se estivesse suando e ela estava muito pálida.
—Não tem que ver isso.
—Na saúde e na doença, lembra?- Me ajoelhei ao seu lado. Uma de suas mãos segurava a cabeça, então segurei a outra.- Qual o problema?
—Eu não sei. Eu estava fazendo o jantar e meu estomago começou a revirar. Deve ser de ficar provando a comida.
—Tem certeza de que é só isso?
—É. Foi só um mal estar Edward. Esta tudo bem.
—Se você diz. Mas se continuar vamos ao médico. Ok?- A menção de um médico fez Bella gemer. Certamente por lembrar agulhas.
— Não deve ser nada, mas tudo bem. – Peguei uma toalha e a molhei passando em sua testa e pescoço.- Isso é bom.
—Quer tomar um banho?
—Seria ótimo na verdade.
—Vou encher a banheira para nós.- Ela assentiu com a cabeça enquanto eu a pegava no colo levando para o quarto.
—Isso é mesmo necessário?
—Não. Mas eu gosto de mimar você.
A deitei na cama a beijando e voltei ao banheiro para encher a banheira. Quando a água estava voltei para buscá-la. Entrei no quarto já a pegando no colo.
—Não precisa fazer isso sabia?
—Ah eu sei disso. Mas aí eu não poderia fazer isso.- Comecei a distribuir beijos por seu pescoço e a senti se arrepiar. A coloquei sentada na pia e comecei erguer sua blusa e beijar seu pescoço enquanto ela desabotoava minha camisa. Depois disso me livrei de sua calça e da minha e do restantes de nossas roupas. Bella prendeu suas pernas em minha cintura enquanto eu caminhava em direção a banheira. Eu estava com as costas apoiadas na banheira e as costas de Bella estavam contra meu peito. Ela recostou a cabeça em meu ombro relaxando na água enquanto eu acariciava suas pernas com minhas mãos. Ela parecia muito cansada. Ela andava trabalhando muito ultimamente, e mesmo eu lhe dizendo isso, ela parecia não me dar ouvidos.
Depois do banho nos secamos e fomos direto para a cama. Bella estava tão cansada, que assim que se deitou em meu peito adormeceu.
Na manhã seguinte resolvi faltar a faculdade para passar o dia com Bella. Eu não tinha nenhuma prova, e estava indo bem nas matérias. Não haveria problema nenhum. Assim que acordei desci para preparar nosso café e leva-lo na cama.
Decidi fazer seus prato favorito para o café da manhã. Panquecas de chocolate.
Assim que ficaram prontas, antes de leva-las, subi para ver se Bella havia acordado. Chegando ao quarto Bella estava deitada enrolada na coberta. Fui até a cama e me sentei ao seu lado.
—Bom dia amor. Melhor?
—Não. Eu acho que vou ter que ver o médico mesmo. Pensei que me sentiria melhor, mas parece que não. Que droga. Não queria ir para o hospital. Me sinto doente só de pensar em voltar lá.
—Quer que eu peça para meu pai chamar algum médico amigo dele. Assim ele viria aqui em casa, e você não teria que ir ao hospital.
—Pode fazer isso?
—Claro.- Ela sorriu.—Eu fiz o café da manhã. Vou ligar para o meu pai, e já trago, está bem.
—Obrigada. Você é o melhor marido do mundo sabia?
—Eu tenho uma boa motivação. – Dei um beijo rápido e enquanto descia para buscar as panquecas liguei para meu pai.
—Alô?
—Pai. Oi.
—Oi filho. Está tudo bem?
—Na verdade eu liguei para saber se o senhor pode mandar algum médico amigo seu aqui em casa.
—Claro Edward. Qual o problema? Está doente?
—Não. Eu estou bem. Bella não tem se sentido muito bem.
—O que ela tem filho?
—Eu não sei. Ontem eu cheguei em casa e ela estava vomitando. Ela também anda muito abatida e cansada. Eu disso que ela estava trabalhando demais, mas o senhor a conhece. Ela é... difícil.
—Hum. Edward diga. Como anda o apetite de Bella?
—O que?
—O apetite dela filho. Como anda? Desregulado?
—Pensando bem. Agora que o senhor falou. Tem dias em que ela mal toca na comida, mas outros que ela come mais do que o normal.
—Era tudo o que eu queria saber. Vou ligar para um amigo meu e ele irá até sua casa. Acredito que assim que eu explicar a situação ele irá imediatamente.
—Sabe o que ela tem pai?
—Eu suspeito. Mas será melhor que o Dr. Salvatore a examine primeiro. Tenho que desligar agora Edward. Mas me de noticias de Bella.
—Está bem pai. Não se preocupe eu lhe dou noticias.
Depois de desligar fui até a cozinha e peguei a bandeja com as panquecas, e um copo de leite e fui em direção ao quarto. O cheiro estava ótimo. Bella adoraria.
Mal entrei no quarto Bella levantou correndo da cama, mas diferente do que eu pensava ela não correu em minha direção para comer as panquecas. Ela ia em direção ao banheiro, mas ficou presa nas cobertas.
—Tira daqui Edward!!
—Mas são suas favoritas.
—Apenas... Que porcaria de coberta...- Ela disse lutando para se soltar. Quando finalmente se soltou e eu pensei que ela fosse em direção ao banheiro, ela parou no meio do quarto e fechou os olhos segurando a cabeça e tentando respirar.
—Bella?
—Eu estou meio... - Ela foi perdendo a consciência antes de terminar a frase. Naquele momento tudo parecia em câmera lenta para mim. Ela indo em direção ao chão e eu soltando a bandeja que segurava para ir ao seu socorro.




—Bella? Bella?- Eu a chamava, mas ela não respondia. A levantei colocando na cama. Eu pensei em levá-la ao hospital, mas seria pior quando ela acordasse com uma agulha no braço. Decidi esperar o médico que meu pai chamou, e que ela acordasse antes de fazer qualquer coisa.